Pacote do Banco Central reduz ritmo de vendas de Natal

As medidas de aperto de crédito anunciadas ontem pelo Banco Central (BC) reduzem a velocidade de vendas no varejo no fim do ano, mas não chegam a estragar o Natal. O maior efeito das restrições no bolso do…

As medidas de aperto de crédito anunciadas ontem pelo Banco Central (BC) reduzem a velocidade de vendas no varejo no fim do ano, mas não chegam a estragar o Natal. O maior efeito das restrições no bolso do consumidor, como a redução nos prazos de financiamento, elevação das taxas de juros, exigência de entrada na compra de veículos, deve ser sentido em janeiro, dizem representantes do comércio. — As medidas não vão afetar muito o Natal — afirma o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Alencar Burti.

O líder empresarial reviu de 12% para 11% a expectativa de crescimento de vendas para a data, depois que tomou conhecimento das medidas. Mesmo assim, se a previsão se confirmar, este será o melhor Natal dos últimos 10 anos, com crescimento de dois dígitos. Burti reconhece que a “demanda estava aquecida acima das expectativas”. Em novembro, por exemplo, as vendas do comércio cresceram 12,3% na comparação com o mesmo mês de 2009.

Um fator que pode retardar o impacto das restrições nas condições de financiamento do consumo de fim de ano é a forte concorrência entre as instituições financeiras. Procurados ontem, os bancos Bradesco e Santander e a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), por exemplo, não quiseram informar se alterariam as condições dos financiamentos.

Já o Itaú Unibanco comunicou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “está ajustando a operação às novas medidas”. A reportagem apurou que os bancos médios que financiam de veículos suspenderam ontem temporariamente as operações para avaliar o pacote. — Num primeiro momento, ninguém faz nada porque não quer perder mercado — afirma o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel Ribeiro de Oliveira.

Além do impacto esperado nos juros, nos prazos e na entrada dos financiamentos, Oliveira acredita que os bancos serão mais rigorosos na concessão de novos empréstimos.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais