País emitiu 100 milhões de NFC-e em 2014

Sistema transmite de dados em tempo real e foi adotado por 15 mil empresas em menos de 1 ano

Depois de indústria e atacado aderirem à Nota Fiscal Eletrônica, a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica…

Sistema transmite de dados em tempo real e foi adotado por 15 mil empresas em menos de 1 ano

Depois de indústria e atacado aderirem à Nota Fiscal Eletrônica, a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) teve bons resultados no varejo. Implantada em março de 2014, superou 100 milhões de emissões por 15 mil empresas do País.

A NFC-e transfere os dados da compra para o smartphone ou tablet do consumidor e diminui a emissão de papeis para notas fiscais. Para o varejista, a principal vantagem é que o projeto não vai exigir hardware porque é totalmente ligado ao software e à Internet. Alivia a necessidade de lacração e do equipamento de impressora fiscal.

Já o consumidor ganha a conveniência nos casos de uma eventual perda da nota fiscal. Se isso acontecer, ele poderá acessá-la diretamente do site da Receita Federal, que guardará os dados de todas as compras realizadas.

Finalmente, para os governos, surge a possibilidade de criar programas de incentivo à nota fiscal eletrônica com sorteios e outros tipos de iniciativas.

De acordo com a Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil), a aceitação é considerada de ‘ótimo nível’, considerando que ainda não vigora a obrigatoriedade legal para a adoção do documento, que começa a valer em 2016.

Dos 27 Estados, apenas Santa Catarina ainda não optou por implantar o projeto. Dos 26 Estados que disseram sim à NFC-e, 15 já estão emitindo o documento: Acre, Amazonas, Sergipe, Maranhão, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Pará, Paraíba, Rondônia, Roraima, Piauí, Paraná, Bahia e Rio de Janeiro.

Os estados mais avançados no processo, até agora, são Amazonas, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, também os pioneiros na implantação em todo o País. Os códigos de barras são considerados fundamentais em todo o processo, desde a automação logística até chegar ao consumidor final.

Para o líder nacional do projeto da NFC-e pelo Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários (Encat) e agente fiscal de rendas da Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo, Newton Oller, trata-se de uma ‘revolução’.

“A ferramenta simplifica o processo para o estabelecimento varejista ao eliminar exigência da impressora, do credenciamento da máquina e do mapa de resumo de caixa”, destacou através de nota.

A nota fiscal do consumidor contém um campo específico destinado ao chamado GTIN (sigla em inglês para Número Global de Item Comercial). Padronizar essa numeração e formatar o código de barras é tarefa da Associação Brasileira de Automação.

Segundo a entidade, o GTIN facilita a gestão de estoque de produtos, a rastreabilidade e estimula a automação na cadeia de suprimentos, além de ser um facilitador na captura dos dados dos produtos para o início do faturamento e emissão da NFC-e.

A expectativa é que, nos próximos cinco anos, a grande maioria das empresas troque a impressora fiscal pelo documento eletrônico.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais