Pequeno varejo deve ser beneficiado pelos efeitos da crise mundial

É verdade que os pequenos varejistas estão, neste momento, preocupados com um possível desabastecimento de produtos importados no Natal, já que os importadores estão incertos quanto ao dólar. Além disso,…

É verdade que os pequenos varejistas estão, neste momento, preocupados com um possível desabastecimento de produtos importados no Natal, já que os importadores estão incertos quanto ao dólar. Além disso, a crise já chegou para esses empreendedores, na forma de redução dos prazos nas vendas.

A explicação foi dada pelo presidente da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), Roque Pellizaro, em entrevista à Agência Sebrae. Ele acredita, entretanto, que os grandes lojistas serão mais atingidos do que aqueles de pequeno porte. Isso significa que, para as MPEs, a crise é uma oportunidade.

“As grandes redes de varejo irão sofrer uma retração natural. Esse espaço será ocupado por alguém. Os pequenos comércios devem ocupar esse espaço. Eles terão ganhos melhores, se souberem controlar as vantagens operacionais e as negociações com as indústrias”, afirmou.

Redução do crédito
De acordo com Pellizaro, a falta de liquidez ainda não afetou as micro e pequenas empresas do setor. Além disso, a tendência é que a indústria ofereça melhores condições para o pequeno comércio, pois precisará vender além do grande varejo.

Ele acrescenta: “as grandes redes e lojas varejistas terão que vender a prazos menores aos consumidores. Esses prazos já são praticados pelos pequenos comércios. O fator competitivo das pequenas e médias empresas, com isso, deve aumentar. A guerra ficará mais equilibrada entre grandes redes de varejo e pequenos comerciantes”.

Natal
Com relação às vendas no Natal, o presidente da CNDL avisa que o brasileiro vai comprar. “As vendas não serão de acordo com a nossa expectativa de seis meses atrás, que era de uma alta de 10% em relação ao Natal de 2007. O crescimento das vendas deverá ficar em torno de 5%”.

“Produtos brasileiros deverão substituir os importados. Voltei de uma missão empresarial à China recentemente e vi que, se os importadores não comprarem nos próximos dez dias, os produtos não vão chegar para o Natal. A logística que envolve os produtos, desde a encomenda, leva tempo. O prazo está se esgotando”, acrescenta.

Conselho
Para Pellizaro, o pessimismo generalizado não deve tomar conta do varejo, porém o empresário precisa ser cauteloso quanto às compras para o estoque. “Fique também atento ao processo de concessão de crédito. A partir de janeiro, depois das compras de Natal, a inadimplência pode aumentar. Hoje, o bem maior é o dinheiro. Reduza as compras e o estoque, dentro do limite possível”, finaliza.

Veja também

    Decretos e regrasNoticias

    Créditos do BNDES: empresário, você tem acesso a este recurso

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Sondagem do Sindilojas POA prevê Dia dos Namorados tímido para o comércio na ca...

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades das obras no Centro até o dia 14/06

    Veja mais
    Noticias

    Associados do Sindilojas Porto Alegre tem opção de consultoria contábil gratuita

    Veja mais