Pesquisa aponta leve diminuição do percentual de famílias gaúchas endividadas

O percentual de famílias gaúchas endividadas apresentou uma leve diminuição em março na comparação com o mesmo período do ano passado, passando de 52,2% para 51,9%. Considerando sua média em 12 meses, o…

O percentual de famílias gaúchas endividadas apresentou uma leve diminuição em março na comparação com o mesmo período do ano passado, passando de 52,2% para 51,9%. Considerando sua média em 12 meses, o endividamento manteve-se estável em março de 2015, em 55,6%. Os dados constam da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor – PEIC-RS, divulgada pela Fecomércio-RS nesta terça-feira (31). O levantamento ouviu 600 famílias em Porto Alegre.

“Há muito tempo em tendência de queda, o nível de famílias endividadas mostra sinais de estabilidade. Fatores como a desaceleração do consumo e do crédito nos últimos meses, associados à inflação elevada, ao aumento de juros, à diminuição da confiança das famílias e ao crescimento da precaução do lado da oferta, contribuem para o controle do endividamento”, destaca Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS. Segundo o dirigente, o menor endividamento registrado no período recente tem contribuído para manter a inadimplência sob controle até o momento.
De acordo com a PEIC-RS, a parcela da renda das famílias comprometida com dívidas, na média em 12 meses, registrou um recuo sutil, saindo de 30,3% em fevereiro para 30,2% em março deste ano. O tempo de comprometimento com dívidas, na média em 12 meses, apresentou leve aumento, ao passar de 7,5 meses em fevereiro último para 7,6 meses em março. O cartão de crédito continua sendo o principal meio de dívida, detida por 78,9% dos endividados, seguido por carnês (27,0%) e cheque especial (17,5%).

Também o percentual de famílias com contas em atraso apresentou diminuição na divulgação de março deste ano (19,2%) na comparação com março do ano passado (22,8%). Na média de 12 meses, o indicador registrou recuo, saindo de 21,9% em fevereiro de 2015 para 21,6% em março.

O percentual de famílias que não terão condições de regularizar nenhuma parte de suas dívidas em atraso no horizonte de 30 dias – o que sinaliza o grau de persistência da inadimplência – atingiu 8,6% na divulgação de março deste ano, crescendo em relação ao mesmo período do ano passado (7,1%). Analisando sua tendência, avaliada pela média em 12 meses (6,8% em março de 2015), o indicador mostra alguma elevação nos últimos meses, sem atingir, contudo, patamares preocupantes.

“De modo geral, os indicadores de endividamento e inadimplência se encontram em patamares saudáveis. Frente à piora do cenário econômico que vem se desenhando, entretanto, uma parcela crescente das famílias que estão com contas em atraso tem dificuldades de sair dessa situação no curto prazo e precisamos estar cada vez mais atentos a qualquer sinal de aumento na inadimplência”, avalia Luiz Carlos Bohn.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais