Pesquisa sinaliza qual a percepção dos empresários gaúchos sobre a atuação das entidades no combate à crise

Em um período de queda nas vendas, baixo estímulo ao consumo e crédito restrito, os empresários precisam buscar formas de manter o seu negócio em dia. A crise internacional atinge todos os segmentos, e…

Em um período de queda nas vendas, baixo estímulo ao consumo e crédito restrito, os empresários precisam buscar formas de manter o seu negócio em dia. A crise internacional atinge todos os segmentos, e justamente nesses momentos se espera uma atuação político-institucional dos entes que comandam a sociedade, como forma de minimizar os impactos de uma retração econômica. Para descobrir o que pensam os empreendedores do comércio de bens, serviços e turismo do Rio Grande do Sul em relação à atuação desses entes, a Fecomércio-RS, por meio do Instituto Fecomércio de Pesquisa – Ifep, pesquisou 550 empresas de 11 regiões gaúchas para entender as expectativas de gerentes e donos de negócios em relação à avaliação das instituições brasileiras no combate à crise.

Os resultados indicam que, na maioria das situações, a nota estimada foi baixa. Quando os empresários foram questionados sobre o desempenho geral das instituições, o melhor conceito apareceu na avaliação sobre as entidades empresariais (6,4%), seguida por Governo Federal (5,8%), Governo Estadual (4,8%), Assembleia Legislativa (4,5%) e Congresso Nacional (4,4%).

Para o cientista político da Fecomércio-RS, Rodrigo Giacomet, há nos resultados apontados a sensação de que a crise foi deflagrada, mas é perceptível aos empresários que a solução não é imediata ou simples. “As notas mostram que não existe uma grande expectativa sobre a atuação desses entes no combate à crise, quase um entendimento de que a resolução do problema está além de uma atitude política, por exemplo.”

Segundo Giacomet, o bom desempenho das entidades empresariais se deve à atuação já reconhecida destas na defesa de interesses empresariais. “Foram mais bem avaliadas em razão de os empresários reconhecerem-nas como interlocutoras diretas com o Estado”, explica. No caso do Governo Federal, o cientista político lembra que é este que detém mais recursos e possibilidades de investimentos e ações para o estímulo da economia. “Em sentido contrário, o escopo de ação dos governos estaduais e assembleias legislativas para combater a crise é pequeno. Os empresários estão conscientes sobre as possibilidades efetivas desses entes em um momento de retração econômica”, considera Giacomet.

Sobre os resultados apresentados de acordo com a região do Estado, a menores notas aparecem nas maiores cidades ou naquelas mais próximas da capital. Giacomet lembra que, para esses empresários, o fluxo de informações a respeito da crise é maior, e talvez por isso a maior proximidade com as entidades políticas gere também um maior descrédito.

Veja também

    Noticias

    Associados do Sindilojas POA tem opção de consultoria gratuita para retomada dos...

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Funcionamento das lojas após as enchentes é objeto de pesquisa do Sindilojas POA

    Veja mais
    Noticias

    Pronampe: 30 bi e carência de 2 anos para empreendedores do RS

    Veja mais
    Decretos e regrasNoticias

    Governo do RS atualiza lista com municípios em estado de calamidade e postergaç...

    Veja mais