Planalto fixa ajuste do IR em 4,5%

Perto de ser encerrada a novela do salário mínimo, o próximo passo da presidente Dilma Rousseff é corrigir a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). A tendência é de que ela seja reajustada em…

Perto de ser encerrada a novela do salário mínimo, o próximo passo da presidente Dilma Rousseff é corrigir a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). A tendência é de que ela seja reajustada em 4,5%, correspondente à meta de inflação para este ano.

No Planalto, a orientação é não negociar o índice. O problema é que as centrais querem correção de 6,47%, correspondente à inflação de 2010 medida pelo INPC, o mesmo que corrigiu o mínimo e as aposentadorias.

Além disso, o governo está inclinado a tratar do reajuste apenas para 2011. Não se cogita fixar uma regra até 2015, como sugeriram os sindicalistas, para manter uma simetria com a política de valorização do salário mínimo. A ideia é calibrar, a cada ano, a renúncia de receita que poderá ser feita em benefício dos contribuintes. Em 2011, por exemplo, a perda de arrecadação decorrente da correção da tabela será da ordem de R$ 2,2 bilhões.

Apesar da posição fechada, o Planalto acena com diálogo. Na terça-feira, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) disse ao deputado Paulinho da Força (PDT-SP), presidente da Força Sindical, que queria conversar. – Eu disse a ele que só teria reunião se houver margem para negociação – disse o deputado.

A correção da tabela tornou-se uma bandeira importante para os sindicatos porque a maior parte das categorias conseguiu reajuste na casa dos 10% no ano passado e parte desse ganho vem sendo apropriado pelo Leão.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais