Ponto eletrônico em empresas divide opiniões

Empresas reclamam de custos de novo equipamento, que deverá emitir comprovantes obrigatórios a partir de 21 de agosto

Instrumento de controle da jornada de trabalho, o relógio-ponto – no seu formato…

Empresas reclamam de custos de novo equipamento, que deverá emitir comprovantes obrigatórios a partir de 21 de agosto

Instrumento de controle da jornada de trabalho, o relógio-ponto – no seu formato eletrônico – foi alçado à condição de protagonista de uma discussão que envolve empregados, empregadores e órgãos reguladores desde que uma portaria normatizando o uso do mecanismo foi publicada. Das modificações, a mais contestada é a obrigatoriedade da emissão de um comprovante impresso a cada registro de entrada e saída, que começa a vigorar dentro de pouco mais de um mês, no dia 21 de agosto.

O principal argumento para as alterações propostas na portaria 1.510/2009 do Ministério do Trabalho é a necessidade de coibir fraudes que vinham sendo reportadas em tribunais no país. Eram manipulações feitas com o intuito de alterar a carga horária dos empregados. Por isso, os próprios magistrados enfatizaram a necessidade da regulamentação.

– Constatamos que, de uma maneira indireta, houve modificação das garantias, das certezas jurídicas do trabalhador – diz o desembargador Luiz Alberto de Vargas, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Estado.

Além do equipamento que passará a emitir o comprovante, o programa utilizado pelo empregador (o software) será diferente. O novo, observa o desembargador, não permite que os dados registrados sejam alterados.

– Toda vez que houver uma divergência entre o que está na memória inviolável e os dados, o administrador precisará apresentar justificativa – acrescenta Luiz Felipe Brandão de Mello, chefe do seção de fiscalização do trabalho da Superintendência do Trabalho e Emprego do Estado.

Mas, por parte da indústria, a principal queixa com relação às mudanças é justamente os custos que a adaptação exige, já que novos equipamentos precisarão ser comprados. A estimativa é de mais de R$ 5 mil, sem contar a manutenção, por máquina. Haveria, também, dificuldade para comprá-los.

– As grandes vão sentir também, mas o maior impacto será nas pequenas empresas – afirma César Codorniz, coordenador do Conselho de Relações do Trabalho e Previdência Social da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs).

Indústrias já apresentam propostas para alterações

Codorniz não descarta que muitas empresas voltem ao sistema de ponto manual ou mecânico. A preocupação com o “gasto desnecessário de papel” também existe. Por isso, a indústria tem na ponta da língua uma série de sugestões. A primeira delas é a prorrogação do prazo de aplicação da normativa, para haver uma discussão maior e a proposição de alterações. Por enquanto, porém, esse adiamento ainda não foi cogitado.

Outras propostas são a possibilidade de uso multifuncional do Registrador Eletrônico de Ponto (REP), a impressão quinzenal ou mensal dos comprovantes e a retirada da exigência de que o REP tenha armazenamento permanente.

Para o presidente da CUT-RS, Celso Woyciechowski, as reclamações, porém, não fazem sentido:

– Essa questão de ajustar as máquinas é um mero exercício de argumentação de quem é contra as mudanças.

Procura acelera linha de produção

Com a contagem regressiva para que a medida entre em vigor, a empresa porto-alegrense Kl Quartz, que produz tanto o software quanto o hardware exigidos pelo ministério, acelera para dar conta dos pedidos.

Segundo o proprietário, Diego Lazzari, a procura tem sido muito grande e já fez com que ele contratasse oito novos funcionários. O preço do equipamento varia conforme o modelo – o de cartão fica em torno de R$ 3 mil e o biométrico, R$ 4 mil –, assim como a entrega, que pode ser de 20 a 40 dias.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais