Porto Alegre se prepara para o Mundial 2014

O ano de 2011 será o do realismo para Porto Alegre, uma das 12 subsedes da Copa do Mundo de 2014. Também será a largada para criar condições de a cidade disputar uma das cinco vagas para receber os jogos da…

O ano de 2011 será o do realismo para Porto Alegre, uma das 12 subsedes da Copa do Mundo de 2014. Também será a largada para criar condições de a cidade disputar uma das cinco vagas para receber os jogos da Copa das Confederações, que ocorre em 2013. O prefeito José Fortunati não esconde a pretensão de entrar no páreo e sempre usa como argumento que a cidade costuma ser bem avaliada pelos dirigentes da Federação Internacional de Futebol (Fifa). Na preparação para o Mundial de 2014, obras do Aeroporto Internacional Salgado Filho e a reforma do Estádio Beira-Rio devem ganhar mais fôlego, já que são decisivas para garantir os jogos.

O Salgado Filho já reativou o Terminal 2, que aumenta em 1 milhão a capacidade anual de transporte, hoje de 6,5 milhões passageiros. Na metade do próximo ano, também deve estar instalado o chamado Módulo de Operação Provisório (MOP), que dobrará os balcões de ckeck in do Terminal 1, acelerando o embarque. Na metade de 2011, haverá mais uma ampliação para 2,5 milhões de passageiros. O superintendente do aeroporto, Jorge Herdina, não cansa de repetir que os dois terminais garantem estrutura suficiente para acolher os visitantes. Com a ampliação da pista em mais 900 metros, que deve começar em abril de 2011, será possível instalar equipamentos para reduzir índices de fechamento da estrutura em dias de nevoeiro e receber aviões de maior porte.

No Beira-Rio, a indefinição se mantém sobre exigências da Fifa para que o clube busque instituição ou parceiro para bancar o investimento. O presidente do clube, Vittorio Piffero, espera bater o martelo até metade de janeiro. O prazo do Comitê Local Organizador (LOC) foi espichado. As obras já estão em andamento e seguem orçamento de R$ 155 milhões, que teria apenas recursos próprios. Com um operador financeiro, o valor pode subir, tudo que o clube não quer. Das 12 cidades-sedes, o modelo colorado é único. Recentemente, foi divulgado que um dos 12 estádios está em atraso, justamente a nova arena do Corinthians, último a ter construção anunciada, depois de frustrada a investida para conseguir dinheiro com a prefeitura paulista.

No transporte terrestre, ampliação do Trensurb até Novo Hamburgo, construção da Rodovia do Parque (BR-448) e a instalação ao aeromóvel, entre o Salgado Filho e a estação do metrô, devem ser concluídos ou ter boa parte em implantação. Na Capital, a duplicação da Avenida Beira-Rio é a primeira obra urbana visível e deve ter parte finalizada em 2011.

Como, por enquanto, certo é o Mundial daqui a três anos e meio, Fortunati define o que é possível fazer até a data. O foco será transporte, mobilidade, hotelaria, segurança, saúde e atendimento a turistas. Do rol de obras incluídas na matriz de prioridades e orçadas em mais de R$ 500 milhões, com mais de R$ 450 milhões assegurados por meio do Ministério das Cidades e com fonte em financiamento da Caixa Econômica Federal, algumas ficarão para depois de 2014. Segundo o prefeito, a execução comprometeria o fluxo de trânsito, caso das obras de artes da Terceira Perimetral.

Já o maior desafio será a urbanização e pavimentação de um naco da zona Sul, a popular Vila Tronco e mais outras dezenas de aglomerados do entorno, que será corredor para desafogar o trânsito entre o Beira-Rio e a Perimetral Leste, rumo ao Aeroporto. Empenho é o que promete o prefeito. Já antevendo dificuldades. Haverá desapropriações, reassentamentos de 1,2 mil famílias e pavimentação e dotação de transporte público. Também o sistema de Portais da Cidade, que deve mudar de nome, está indefinido. O prefeito projeta menos pontos de conexão, priorizando pontos das avenidas Assis Brasil, Protasio Alves e Padre Cacique. “Não podemos parar a cidade com obras”, justifica. O modelo de BrTs (que são os terminais) pode mudar. A prefeitura se interessou pela solução de São Bernardo do Campo, que tem plataformas no nível da rua, com menos custo. “Hoje ainda não temos todos os recursos para implantar o sistema”, adianta o prefeito.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais