Presidente do Sindicato, Paulo Kruse, se reúne com o governador José Ivo Sartori, para falar sobre a proposta de aumento do ICMS

A alternativa para as entidades empresariais é debater com os parlamentares medidas que substituem o aumento da alíquota

Na tarde desta quarta-feira, dia 19, o governador do Estado, José Ivo Sartori,…

A alternativa para as entidades empresariais é debater com os parlamentares medidas que substituem o aumento da alíquota

Na tarde desta quarta-feira, dia 19, o governador do Estado, José Ivo Sartori, recebeu no Palácio Piratini o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, o presidente da Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo, Vilson Noer, e o presidente da CDL POA, Gustavo Schifino. A pauta do encontro foi a proposta do governador Sartori de aumentar a alíquota do ICMS, que será entregue amanhã, dia 20, para aprovação na Assembleia Legislativa.

Além da proposta do reajuste de 17% para 18% da alíquota do ICMS, os representantes das entidades empresariais e o governador Sartori debateram outros entraves econômicos para o desenvolvimento do setor varejista. Dentre eles, o Imposto de Fronteira e a renegociação de dívidas, especialmente, para os micro e pequenos empresários.

Para o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, a reunião foi um importante passo de abertura de diálogo entre o Governo do Estado e as entidades empresariais. “Nosso posicionamento segue o mesmo: somos contrários ao aumento de impostos e medidas que comprometam o comércio e os consumidores. Mesmo assim, saímos satisfeitos da reunião, pois acreditamos que na Assembleia Legislativa ainda temos chance de debater e reverter esse quadro”, afirma.

Gustavo Schifino, concordando com Kruse, ainda observou que o aumento de imposto não gera arrecadação e afirmou que as entidades presentes à reunião com Sartori estavam, justamente, levantando possibilidades a favor do desenvolvimento e ampliação da atividade econômica no Estado. “Estamos oferecendo novas alternativas que também gerariam impostos. Além disso, estamos propondo que sejam refinanciadas as dívidas das micro e pequenas empresas, o que levaria esperança a estes empresários”, comentou. Segundo o dirigente da CDL POA, de 2013 para cá cerca de 20 mil estabelecimentos comerciais fecharam as suas portas no RS, o que, na média, deve ter afetado a estabilidade de 40 mil famílias gaúchas, levando-se em consideração que cada um dos empreendimentos possuía apenas dois funcionários.

O presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, Vilson Noer destacou que “saímos esperançosos deste encontro, pois acreditamos que ainda poderemos reverter a situação na Assembleia Legislativa, pois o aumento de impostos gerará perdas de arrecadação pela criação de um ambiente desfavorável. Durante este encontro, ficou ainda mais clara a sintonia total das entidades na busca de soluções para o varejo”.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais