Principais varejistas globais mantêm ano de crescimento de receita

Principais varejistas globais mantêm ano de crescimento de receita, afirma 19ª edição do estudo da Deloitte “Global Powers of Retailing”. Pelo segundo ano consecutivo, pesquisa traz Lojas Americanas e Magazine Luiza entre as 250 maiores redes varejistas do mundo;

Principais varejistas globais mantêm ano de crescimento de receita, afirma 19ª edição do estudo da Deloitte “Global Powers of Retailing”. Pelo segundo ano consecutivo, pesquisa traz Lojas Americanas e Magazine Luiza entre as 250 maiores redes varejistas do mundo;

– “Ruptura digital” é o grande desafio da indústria varejista;

– Entre as principais tendências do setor em 2016 estão a adoção de modelos digitais variados e o desenvolvimento de experiências de compras mais rápidas e completas para atender à crescente demanda dos consumidores.

São Paulo, 03 de fevereiro de 2016 – As 250 maiores varejistas globais geraram, juntas, uma receita de US$ 4,5 trilhões no ano fiscal de 2014 (de junho de 2014 a junho de 2015 – último período fiscal a permitir comparação direta entre os números das redes avaliadas), representando um crescimento de 4,3% em relação a 2013, cujo aumento havia sido de 4,1%. Os dados são do estudo “Global Powers of Retailing 2016: Navegando a nova divisão digital”, da Deloitte, realizado em conjunto com a STORES Media. Este é um sinal positivo para a indústria de varejo que, há não muito tempo atrás, registrou queda de receita em 2011. No entanto, o resultado varia de acordo com a região onde a empresa atua. Varejistas na América do Norte e da África/ Oriente Médio obtiveram incremento de receita em 2014, enquanto as da Ásia, da Europa e da América Latina registraram queda contínua dos números.

"O crescimento econômico mais lento em vários mercados, a inflação mais baixa, a queda dos preços do petróleo e o fortalecimento do dólar dos Estados Unidos estão entre os fatores que geraram resultados distintos entre os varejistas de diferentes regiões", explica Ira Kalish, economista-chefe global da Deloitte. "Para as companhias norte-americanas, a força do dólar significou o aumento do poder aquisitivo dos consumidores nacionais, fator influenciado também pelo crescimento econômico e pela diminuição das taxas de desemprego do país. A economia chinesa, por outro lado, retraiu-se consideravelmente durante este período, principalmente devido à queda das exportações e ao enfraquecimento dos investimentos locais. No entanto, os gastos do consumidor cresceram bastante, embora o setor de luxo tenha vacilado", complementa.

O desempenho total também foi desigual entre as regiões geográficas, mas em geral foi ruim. O relatório indica que os 250 maiores varejistas registraram uma margem de lucro líquido de 2,8% em 2014 em comparação a 3,4% em 2013.

O impacto da tecnologia digital

O estudo “Global Powers of Retailing 2016” também destaca o impacto da tecnologia sobre as compras nas lojas físicas, indicando a crescente conectividade digital dos compradores. O comportamento digital e a expectativa dos consumidores estão evoluindo mais rápido do que os varejistas se mostram capazes de atender tais demandas, diz o relatório, criando uma "ruptura digital". Com isso, três tendências importantes são identificadas:

– Não há um caminho único para a adoção digital. Enquanto todos os mercados estão se movendo em direção à adoção digital generalizada, alguns estão seguindo caminhos um pouco diferentes. Alguns mercados emergentes, por exemplo, estão pulando – totalmente – etapas de adoção anteriormente vivenciadas pelos mercados desenvolvidos.

– Um "formato” digital não atende a todos os clientes. O comportamento digital varia de acordo com fatores demográficos, como idade e renda, e também com o tipo de produto que está sendo procurado.

– Os consumidores estão exigindo melhores ferramentas digitais. As ferramentas e os canais digitais podem estender o alcance de um varejista e aumentar sua receita, porém os clientes estão se sentindo insatisfeitos e carentes com as atuais ofertas digitais disponibilizadas por grande parte dos varejistas.

"Atualmente, há uma diferença entre o que os consumidores esperam e o que os varejistas estão entregando em termos da evolução do desejo do consumidor em incorporar o mundo digital a sua experiência de compra na loja", diz Vicky Eng, líder global do setor de varejo da Deloitte.  "Alguns varejistas subestimam a influência digital, enquanto outros reconhecem a real oportunidade de capitalizar sobre essa ruptura digital", finaliza Vicky Eng.

 

Brasileiras no ranking das 250 maiores varejistas do mundo

No ranking dos 250 maiores varejistas mundiais estão incluídas duas empresas brasileiras: a Lojas Americanas, que ocupa o 143º lugar, e a Magazine Luiza, em 217º. A segunda companhia, por sinal, destaca-se por ter subido 30 posições na pesquisa em relação à 2014, primeira vez que apareceu no ranking.

“Apesar do momento econômico desfavorável, as varejistas brasileiras conseguiram assegurar sua presença no levantamento global e ainda melhorar seu desempenho na avaliação em relação ao ano anterior. Isso nos deixa muito otimistas”, afirma Reynaldo Saad, líder da Deloitte para a indústria de varejo e bens de consumo.

Sobre a Deloitte

A Deloitte oferece serviços nas áreas de Auditoria, Consultoria Empresarial, Consultoria em Gestão de Riscos, Consultoria Tributária, Financial Advisory e Outsourcing para clientes dos mais diversos setores. Com uma rede global de firmas-membro em mais de 150 países, a Deloitte reúne habilidades excepcionais e um profundo conhecimento local para ajudar seus clientes a alcançar o melhor desempenho, qualquer que seja o seu segmento ou região de atuação.

No Brasil, onde atua desde 1911, a Deloitte é uma das líderes de mercado e seus cerca de 5.500 profissionais são reconhecidos pela integridade, competência e habilidade em transformar seus conhecimentos em soluções para seus clientes. Suas operações cobrem todo o território nacional, com escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Joinville, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife, Ribeirão Preto e Salvador.

Fonte: Deloitte

Veja também

    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre tem reunião com o prefeito Sebastião Melo

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas POA acompanha lançamento de agenda legislativa na Fecomércio RS

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    FBV 2024 – o próximo passo está aqui

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 06/04 a 12/04

    Veja mais