Região Sul tem a maior queda do país na renda disponível entre 2008 e 2009, aponta pesquisa

Região também foi a que mais poupou, totalizando uma média de R$ 848

A Região Sul foi a única que na média apresentou redução na renda familiar entre 2008 e 2009, segundo apontou a pesquisa Observador…

Região também foi a que mais poupou, totalizando uma média de R$ 848

A Região Sul foi a única que na média apresentou redução na renda familiar entre 2008 e 2009, segundo apontou a pesquisa Observador Brasil 2010, da Cetelem, financeira do grupo francês BNP Paribas, em conjunto com a Ipsos. A renda familiar na região passou de R$ 1404 para R$ 1221. O Sul também teve a maior queda de renda disponível (calculada subtraindo do rendimento total da família todos os gastos essenciais, não essenciais e investimentos) no período, de R$ 358 para R$ 129. Enquanto isso, a região Nordeste obteve maior evolução no período de 2008 para 2009, apesar de ser a que apresenta a menor renda familiar e disponível médias.

Ainda de acordo com o levantamento, a região Sul foi a que mais poupou, aplicou ou investiu dinheiro em 2009, totalizando uma média de R$ 848. Logo depois, ficou a região Nordeste, que guardou R$ 832 por mês.

O Sul também aparece como destaque na pesquisano quesito avaliação da situação do país. Em uma escala de 0 a 10, o país é avaliado com nota 7,2 pelos habitantes da região. A nota média no país foi 6,24, a melhor entre os 13 países onde a Cetelem promove a pesquisa. Esta também é a melhor avaliação do Brasil desde 2005, ano em que a pesquisa começou a ser realizada no país.

A Cetelem aponta ainda que em todo Brasil a classe C foi a que mais ganhou novos integrantes entre 2005 e 2009. Em 2005, a classe C tinha 62.702.248 integrantes. Em 2009, eram 92.850.384. A renda disponível para consumo pulou de R$ 122 em 2005 para R$ 204 em 2009.

Já a classe D pulou de 92.936.688 integrantes em 2005 para 66.884.870 em 2009. A renda de seus integrantes deu um salto de R$ 17 negativos, em 2005, para R$ 61, em 2009.

Em 2009, a renda média das famílias brasileiras alcançou o recorde de R$ 1.285,00.

Os gastos essenciais, como luz, água, gás e aluguel, mantiveram a tendência de alta moderada. A exceção foram os gastos com supermercado, que em média tiveram crescimento de R$ 19 ao ano.Na região Sul, a média de gastos com supermercado somou R$ 421 em 2009. Entre os gastos não essenciais, a pesquisa identificou tendência de alta em alguns itens, entre eles vestuário e lazer, enquanto os gastos com educação seguiram em queda. A Região Sul tem o menor nível de gastos com educação, R$ 12.

Já o gasto total das famílias no último mês foi o maior desde 2005, alcançando R$ 1.066,25. No Sul, o valor chegou a R$ 1.117.

Outro dado apontado pela pesquisa é que nos últimos cinco anos diminuiu o número de pessoas que precisou atrasar algum pagamento. Em 2009, apenas 3% declararam ter atrasado uma prestação, enquanto em 2005, o índice era de 9%.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais