Sites de compras coletivas levam à aquisição por impulso e ao desperdício

SÃO PAULO – Com promoções e descontos que podem fazer o consumidor pagar apenas 10% do preço do produto ou serviço, os sites de compras coletivas conquistaram os brasileiros. O problema é que eles podem…

SÃO PAULO – Com promoções e descontos que podem fazer o consumidor pagar apenas 10% do preço do produto ou serviço, os sites de compras coletivas conquistaram os brasileiros. O problema é que eles podem estar incentivando aquisições por impulso e gerando desperdício. “O consumidor se empolga e só pensa em aproveitar a oferta. Mas, algumas vezes, compra produtos que normalmente não usaria se não fosse pela promoção”, afirmou a especialista em marketing digital e e-commerce pela FGV (Fundação Getulio Vargas), Sandra Turchi, de acordo com o Instituto Akatu. A especialista disse que, até que as pessoas se acostumem com a novidade, esse tipo de comportamento deve acontecer de forma considerável.

Dicas

De acordo com a gerente de Mobilização Comunitária do Instituto Akatu, Camila Melo, na compra nestes sites, valem as mesmas regras de uma aquisição em uma loja física. Primeiro, é importante questionar se a compra é realmente necessária. Depois, planeje o que e de quem comprar. Além disso, use o produto até o fim da sua vida útil e planeje como irá descartá-lo ao final. “O desconto é realmente sedutor, mas o consumidor consciente não deve levar em conta só o preço”, alertou. Confira, abaixo, as dicas do Instituto Akatu ao aderir aos sites de compras coletivas: Visite o site do estabelecimento que está comercializando o produto nas páginas de compras coletivas. Telefone para o estabelecimento, confirme se o anúncio é verdadeiro e o tempo para a utilização do cupom. Antes de fechar a compra, verifique como funciona a desistência. Não deixe de perguntar o que ocorre se o número de compradores não for atingido. Conheça a política de privacidade do organizador da compra coletiva para saber como serão protegidos seus dados, como o número do cartão de crédito. Fique atento à página de pagamento da oferta, checando se opera em ambiente de navegação segura e se possui certificados digitais de segurança. Procure saber o número do telefone de contato ou o endereço para que possa reclamar, caso algo dê errado. Algumas empresas têm comercializado cupons em quantidade acima de sua capacidade de atendimento. Isso resulta em agendamento para até seis meses. Veja, antes de comprar, se há listas de espera no serviço que você deseja.

Os sites

Estes portais de compras coletivas anunciam ofertas de produtos mais baratos, cujo preço só será praticado se for alcançado um número mínimo de clientes ou vendas. Mas o consumidor precisa ficar atento aos seus direitos, para não ser lesado. De acordo com o Instituto Akatu, se o número mínimo de participantes não for atingido, os valores pagos devem ser devolvidos. O site de compra coletiva é quem responde caso o estabelecimento não aceite o cupom, que deve conter informações sobre condições de uso, como dia da semana, horário, validade e eventuais restrições. A empresa deve cumprir as condições e não cobrar taxas ou praticar preços diferentes. Em caso de problemas, procure o estabelecimento e, se não conseguir resolvê-lo, fale com o site de compras. Se nada acontecer, os caminhos são fazer uma queixa no Procon e, por último, recorrer ao Judiciário.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Lajeado recebe a FBV Talks para debater o futuro do presente no varejo

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Café com Lojistas apresenta o significado do varejo e dicas do que está em alta ...

    Veja mais
    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais