Tablet puxa venda no setor de informática

Puxada pelo aumento das vendas de tablets, a indústria de informática no Brasil vendeu 10,34 milhões de máquinas (desktops, notebooks e tablets) de janeiro a junho, a maior marca para este período do setor….

Puxada pelo aumento das vendas de tablets, a indústria de informática no Brasil vendeu 10,34 milhões de máquinas (desktops, notebooks e tablets) de janeiro a junho, a maior marca para este período do setor. Em relação ao mesmo período de 2012 as vendas subiram 14,7%.

Os dados são da Associação Brasileira da Indústrias Elétrica e Eletrônica (Abinee), compilados pela consultoria IDC e informados com exclusividade ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Com 3,3 milhões de unidades vendidas no período, os tablets garantiram o crescimento do setor. A categoria teve um aumento de 153%. A rápida ascensão reflete, sobretudo, a redução dos preços destes dispositivos, junto de uma maior oferta de modelos. De acordo com a pesquisa, os aparelhos já são encontrados na faixa dos R$ 500.

Por outro lado, as vendas de notebooks e desktops continuam perdendo espaço. No primeiro semestre foram vendidos 4 milhões de notebooks, uma queda de 4,7% sobre o montante de igual período do ano passado. Já os desktops apresentaram retração de 8,8% das vendas.

Assim, a fatia de tablets sobre as vendas ao final de junho atingiu uma representatividade de 34,8%, ante 16,1% do mesmo período de 2012. Os notebooks, por sua vez, viram sua fatia sobre as vendas caírem de 47,3% no primeiro semestre do ano passado para 38,4% neste ano, enquanto dos desktops recuaram no período de 36,6% para 26,8%.

Efeito mundial

O avanço dos tablets assim como dos smartphones sobre os desktops e notebooks é um movimento global. “O volume de PCs diminuiu no mundo todo”, afirmou o presidente da Positivo Informática, Hélio Rotenberg, durante teleconferência com analistas para comentar os resultados do segundo trimestre.

A menor demanda por computadores tradicionais levou os fabricantes globais de componentes a deslocarem suas linhas de produção visando atender aos novos dispositivos, fato que elevou os preços internacionalmente destes insumos, ressaltou Rotenberg.

Esse efeito e a valorização de 15% do dólar este ano sobre o real fizeram subir os preços dos PCs no Brasil. No caso da Positivo Informática, a estratégia da companhia foi apostar na ampliação das linhas de produtos alternativos aos computadores. Para o segundo semestre, a empresa vai lançar seis novos modelos de tablets, além de começar a fabricação própria de smartphones. Os tablets já representam quase 16% das vendas da Positivo.

Mesmo com a retração das vendas de computadores, a aposta é de que os desktops sigam como primeira opção de compra de itens de informática, sobretudo sobre as classes C e D. Mas a participação de notebooks, como primeira máquina, deve seguir em crescimento, na avaliação do executivo da Positivo.

Apenas no segundo trimestre deste ano, as vendas de desktops, notebooks e tablets cresceram 16,4%, somando 5,52 milhões de unidades. Neste período, as vendas de tablets avançaram 151%, enquanto as de notebooks caíram 5,4% e as de desktops recuaram 14,8%.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais