Taxa de desemprego entre jovens ainda é alta

Os 15 milhões de empregos gerados durante os oito anos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva não foram suficientes para acabar com um velho mal da economia brasileira: a alta taxa de desemprego entre os…

Os 15 milhões de empregos gerados durante os oito anos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva não foram suficientes para acabar com um velho mal da economia brasileira: a alta taxa de desemprego entre os jovens. Até novembro deste ano, último mês cujos dados sobre o desemprego foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desocupação nas principais regiões metropolitanas entre pessoas de 18 a 24 anos era de 12,5%. Na faixa etária de 25 a 49 anos, a taxa de desemprego caiu para 4,7%, o que significa tecnicamente situação de pleno emprego.

Mas, antes do governo Lula, o quadro do desemprego era grave. Em janeiro de 2003, quando o petista assumiu a Presidência da República, a taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas do país era de 20,8%. Para o chefe do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas, Marcelo Néri, a pouca experiência do jovem é um fator determinante para a falta de oportunidades no mercado de trabalho. – Esses jovens estão dispostos a trabalhar, mas não conseguem se inserir porque não têm experiência – disse.

A mesma opinião tem o diretor técnico do Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas Socioeconômicas (Dieese), Clemente Ganz Lúcio. Segundo o diretor, o crescimento na oferta de postos de trabalho não é suficiente para superar esse pré-requisito. – Os jovens continuam tendo problema, tanto aqui quanto no mundo todo, na medida em que os postos de trabalho exigem experiência profissional que os jovens não têm – afirmou.

Saída está na educação técnica, avalia diretor

A solução para o problema pode estar na qualificação profissional. Em alguns setores, como a construção civil, há vagas de emprego, mas falta mão de obra qualificada. Para Néri, a oferta de cursos de qualificação tem aumentado, e os jovens podem responder mais rápido à procura por profissionais qualificados. – É um processo, mas acho que no caso dos jovens vai ser algo mais rápido. Os jovens são uma janela para essas mudanças na economia, que entram por meio deles. A vida deles pode mudar rapidamente se eles fizerem o dever de casa – diz.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Lajeado recebe a FBV Talks para debater o futuro do presente no varejo

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Café com Lojistas apresenta o significado do varejo e dicas do que está em alta ...

    Veja mais
    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais