Trânsito rumo ao colapso

A cada dia, 794 veículos estreiam nas ruas do Estado. Porto Alegre já registra a taxa de 48,7 veículos para cada grupo de cem moradores – é quase um volante para duas pessoas.

As cidades e as rodovias…

A cada dia, 794 veículos estreiam nas ruas do Estado. Porto Alegre já registra a taxa de 48,7 veículos para cada grupo de cem moradores – é quase um volante para duas pessoas.

As cidades e as rodovias estão se entupindo de carros, motocicletas, ônibus e caminhões, num ritmo que aumenta, em média, 6,4% ao ano. O crescimento acelerado, descontados os carros que saíram de circulação, fez com que a frota gaúcha atingisse os 4,7 milhões de veículos, ano passado. Se a tendência se mantiver, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) avisa que serão 8,8 milhões em 2020, o dobro da frota atual.

A informação de que a frota cresceu 6,6% em 2010, na relação com 2009, preocupa especialistas. Jaime Waisman, professor da Universidade de São Paulo (USP), compara que as cidades são como o corpo humano. Veias e artérias equiparam-se a ruas e avenidas. Se ocorre um congestionamento, é o caos. – A curto prazo, o trânsito não mata uma cidade, mas ela vai ficando doente – alerta Waisman, do Departamento de Engenharia de Transportes da USP.

Especialista cogita de implantação de rodízio

O professor exemplifica que motoristas, quando deparam com uma avenida engarrafada, optam por outras vias menores, de bairro residenciais. Isso espalha o congestionamento, compromete a qualidade de vida dos moradores e deteriora a cidade. – Como evitar isso? O que se pode fazer é domesticar o uso do automóvel. Use o carro com moderação. Mas isso só vai se realizar com um bom transporte público – observa Waisman.

No balanço divulgado ontem, o Detran informa que foram emplacados, em 2010, 291 mil veículos no Estado – mais de 50% são automóveis. Diretor-presidente da autarquia, Alessandro Barcellos diz que o crescimento indica a necessidade de planejamento e mais segurança.

Para o professor João Fortini Albano, do Laboratório de Sistemas de Transportes (Lastran), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a solução seria limitar o uso do carro e melhorar o transporte coletivo. Cogita que o Estado possa adotar medidas restritivas, como em Nova York e Londres. São pedágios para circular em determinadas áreas, rodízio de placas, parquímetros e proibição de estacionar em certos lugares. – A vida nas cidades pode ficar impraticável – prevê João Fortini Albano.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais