Uma geração que sabe o que quer

Lúcia Pires traz sua experiência com a geração Z para os varejistas que buscam compreender as características desses jovens profissionais

Bate-Papo:

 características do profissional da geração Z são comuns a todas as áreas e segmentos?

Sim, são características da geração, independentemente do setor. Em qualquer área, é uma geração que busca crescimento, um bom ambiente de trabalho e procura saber se a empresa tem preocupações ambientais e com a saúde mental dos colaboradores. São jovens que não veem com bons olhos coisas que outras gerações aguentavam. Uma característica comportamental importante da geração Z é se posicionar nas entrevistas de seleção e perguntar ao recrutador qual é a cultura e o propósito da empresa. Eles têm a necessidade de avaliar se seus valores pessoais estão atrelados à cultura da empresa.

As empresas estão preparadas para receber o profissional da geração Z?

Elas têm buscado se atualizar e se desenvolver, mas ainda precisam ter um olhar atento. Algumas já estão criando ambientes e oportunidades de trabalho que proporcionam aos colaboradores benefícios diferentes, cuidados com a saúde e o bem-estar. Se percebe um movimento de mercado, os próprios fornecedores de benefícios já apresentam um novo conceito como o flash, o flexível que proporciona essa “liberdade” na hora de tomar a decisão quanto à forma de utilizar. Em geral, as empresas estão tentando se adaptar para receber a geração Z e entendendo que muitas vezes é perfil desses trabalhadores buscar a sensação de autonomia, maior independência, com jornadas flexíveis ou modelo de trabalho híbrido, por exemplo.

A questão da troca de emprego ser mais frequente entre trabalhadores da geração Z faz com que as empresas tenham que se adaptar com turnover mais alto?

Possivelmente sim, pois é uma geração aberta a novas experiências e com tendência a correr riscos. Avaliam uma troca de emprego nem sempre por questões objetivas. Mas cabe a análise do indicador, para entender a movimentação do time, uma vez que um turnover é saudável para a “oxigenação” do negócio. As movimentações e trocas correspondem ao perfil do colaborador ou a aspectos da empresa, como benefícios, ambiente de trabalho, comunicação interna, etc.? Por exemplo: qual é o dono que não quer ver seu negócio crescer?

Para ler todo o bate-papo, acesse a nossa revista clicando aqui.

Veja também

    Noticias

    Sindilojas POA e CDL POA promovem ação para limpeza do Centro Histórico da Capital

    Veja mais
    Noticias

    Cartilha Estado de Calamidade: seguros disponíveis e auxílio reconstrução

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Feira Brasileira do Varejo anuncia nova data para 2025

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre assina carta buscando alternativas para acesso à capital

    Veja mais