Varejo online deve vender 40% a mais no Natal

O comércio online brasileiro deve faturar R$ 2,2 bilhões com o Natal de 2010. O dado faz parte de estimativa divulgada pelo E-Bit e representa um acréscimo de 40% em relação às vendas efetivadas em 2009….

O comércio online brasileiro deve faturar R$ 2,2 bilhões com o Natal de 2010. O dado faz parte de estimativa divulgada pelo E-Bit e representa um acréscimo de 40% em relação às vendas efetivadas em 2009. Caso a previsão se confirme, o setor pode fechar o ano com um faturamento de R$ 15 bilhões, valor recorde. No ano passado, durante o período entre 15 de novembro e 24 de dezembro, o e-commerce foi responsável pela movimentação de R$ 1,6 bilhão. A arrecadação anual ficou em aproximadamente R$ 10 bilhões.

O levantamento da empresa que monitora o comércio eletrônico no Brasil também detalhou as preferências do consumidor virtual. Entre o público masculino, os aparelhos eletrônicos são os campeões de vendas. Os cosméticos configuram-se no alvo favorito das mulheres. O tíquete médio do segmento deve girar em torno de R$ 370,00. “Este foi um ano favorável à economia brasileira e, consequentemente, ao e-commerce”, constata Alexandre Umberti, diretor de marketing e produtos do E-Bit.

O aumento progressivo da arrecadação do e-commerce está diretamente relacionado com a ascensão econômica da classe C. “Trata-se de uma classe social com uma base populacional muito grande e que está chegando à internet para fazer sua primeira compra. Além disso, a entrada das grandes redes no comércio eletrônico contribui para que o consumidor opte por esse meio”, relata Umberti. Até o final de dezembro, calcula-se que 23 milhões de pessoas terão realizado ao menos uma compra na internet durante o ano.

Premiada pelo E-Bit nos últimos três anos com a Medalha Diamante no segmento eletroeletrônicos, a Colombo planeja um incremento de 50% nas vendas natalinas realizadas por televendas e pelo site. Para suportar uma carga de 900 pedidos diários e evitar atrasos nas entregas, a empresa promoveu alterações em sua logística. Cerca de 180 funcionários dedicam-se exclusivamente às demandas online. Atualmente, os meios virtuais representam 15% do total comercializado pela companhia.

Hoje, ao fazer alguma aquisição na web, a preocupação número um do comprador refere-se ao prazo de entrega do produto. Para evitar qualquer tipo de contratempo, recomenda-se que o internauta acompanhe o desenrolar da transação. Outra medida necessária no espaço online é a busca de informações sobre a loja escolhida. Nesse sentido, sites especializados e ferramentas como o Facebook e o Twitter podem exercer uma função importante. “As redes sociais tornaram-se aliadas na hora da compra. A troca de informações através delas tem ajudado o consumidor a se decidir por uma ou outra empresa”, constata Paulo Kendzerski, diretor de marketing da WBI Brasil.

Além dos cuidados com dados cadastrais e senhas, Kendzerski sugere que o internauta desconfie de produtos com valores muito abaixo do mercado. “Não existe oferta ou promoção milagrosa”, assegura.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais