Varejo prevê crescimento de 6% nas vendas para 2011

Após a confirmação de que o Natal de 2010 foi o melhor dos últimos 10 anos e que a inadimplência recuou no ano passado, a expectativa do comércio varejista é de aumento do calote em 2011 e crescimento…

Após a confirmação de que o Natal de 2010 foi o melhor dos últimos 10 anos e que a inadimplência recuou no ano passado, a expectativa do comércio varejista é de aumento do calote em 2011 e crescimento mais modesto do setor, na casa dos 6%, segundo levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Os números de 2010 ainda não estão fechados, mas a previsão da entidade é que o faturamento tenha registrado alta de 12% na comparação com 2009. Por trás da avaliação de que o brasileiro honrará menos seus endividamentos estão o aumento das compras parceladas no final do ano e a perspectiva de elevação dos juros pelo Banco Central.

O economista da CNDL, Fernando Sasso, prevê que a inadimplência subirá de 2,5% a 4% este ano. Em 2010, houve uma queda de 1,85%. A inversão da tendência, segundo ele, deve se dar principalmente nos primeiros quatro meses do ano, quando tradicionalmente há repique do número de maus pagadores.

A sazonalidade ocorre por conta da incidência de impostos e a necessidade de compras de material e de matrículas escolares no início do ano. Também sofre a influência de quem gastou mais do que podia com as compras de Natal e as férias. Assim, para o quadrimestre, Sasso projeta um crescimento de 5% da inadimplência em relação ao mesmo período de 2010, percentual que deve ser diluído ao longo do ano. Apesar disso, o setor não se preocupa com essas dívidas em atraso porque elas ainda estão em um valor relativamente baixo. Para se ter uma ideia, em dezembro, 75% da inadimplência no varejo era de valores entre R$ 0,01 e R$ 250,00, considerada fácil de ser paga.

O setor identificou também o aumento do tíquete médio de compras em 2010. Isso é explicado, conforme Sasso, pelo aumento da massa salarial e da inserção das classes C, D e E no mercado.

Além disso, os lojistas estão confiantes de que as vendas sigam aquecidas, embora não tão fortes quanto em 2010. A previsão de crescimento de 6% neste ano já considera a base de comparação mais elevada. Em 2010, o aumento das vendas foi de 8,25%.

Juro ao consumidor fecha 2010 a 119,9% ao ano

A taxa de juros média das operações de crédito para pessoa física teve uma redução de 1,99 ponto percentual em 2010, segundo a Pesquisa de Juros divulgada pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Em janeiro do ano passado, a taxa média era de 121,96% ao ano e, em dezembro, ela estava em 119,97% ao ano. Nas operações de crédito para empresas, houve uma alta de 0,36 ponto percentual e a taxa média atingiu 56,45% ao ano em dezembro. No mesmo período, a Selic teve uma elevação de 2 pontos percentuais, chegando a 10,75% ao ano.

Apesar da queda no acumulado do ano, a taxa média de juros para pessoa física voltou a subir em dezembro de 2010, com alta de 0,05 ponto percentual em relação a novembro. De acordo com o vice-presidente da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, as altas podem ser atribuídas a pelo menos três fatores: a elevação dos depósitos compulsórios promovida pelo BC; o aumento do requerimento de capital para as operações de crédito a pessoas físicas com prazos superiores a 24 meses (fator de ponderação de risco); e a provável elevação da Selic por conta da elevação dos índices de inflação.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais