Vendas diretas ensaiam recuperação

ABEVD amplia seu foco de pesquisa e identifica mudança no mix de produtos comercializados pelo canal e vê retomada de crescimento

Após um longo e complexo trabalho de pesquisa, a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), finalizou um estudo sobre o mercado nacional de vendas diretas, com vistas a dimensionar o seu tamanho.

Como resultado, a entidade concluiu que o volume de negócios em 2016 foi 13% superior que o considerado anteriormente. As vendas diretas movimentaram em 2016, R$ 45,7 bilhões, montante R$ 5,3 bilhões maior que os R$ 40,4 bilhões antes apurados. O número de revendedores mantém-se o mesmo: 4,3 milhões de empreendedores.

A diretora executiva da ABEVD, Roberta Kuruzu, explica que a nova metodologia aplicada apontou que houve melhoras decorrentes da maior contribuição dos players. “Ampliamos o olhar para além do mercado de cosméticos, que era de onde extraíamos boa parte da nossa base de dados”, diz.

O fenômeno da multicanalidade, na qual empresas adotam diversos meios para comercializar seus produtos ou serviços, também foi destacado na pesquisa. Com o dimensionamento foram avaliadas 11 categorias principais de produtos, seguindo a classificação internacional da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA).

As categorias e suas participações no total de vendas são:

Cosméticos, perfumaria e higiene pessoal, 40,4%;
Vestuário, 11,8%;
Acessórios, 10,3%;
Alimentos, 6,6%;
Cuidados da casa, 6,1%;
Utilidades domésticas, 4,6%;
Livros, brinquedos, CD, DVD, software, games, 4,1%;
Telefonia, internet, TV por assinatura, 3,3%;
Serviços de reforma da casa (sistema de segurança, aquecimento, refrigeração, reformas etc.), 3,3%;
Produtos financeiros (títulos de capitalização, seguros, investimento, cartão de crédito etc.), 2,7%;
Vinhos, comida congelada, 2,3%;
Outros, 4,4%.

Cenário

Os dados do 1º quadrimestre de 2017, ainda trazem um cenário de dificuldade comparando-se com os de 2016, cujo histórico também foi devidamente atualizado com a nova metodologia de pesquisa.  No acumulado do ano (jan-abril), o volume de negócios apresentou queda (-2,8%), fechando em R$ 13,7 bilhões.

Fonte: NoVarejo

Veja também

    Noticias

    O Sindilojas Porto Alegre é finalista do Top de Mkt ADVB/RS 2024

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades desta semana para as obras no Centro da capital

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais