Votação do feriado do Dia da Consciência Negra é adiada por falta de quórum

O projeto de lei que institui o feriado da Consciência Negra e da Difusão da Religiosidade na data alusiva à morte do símbolo do movimento negro, Zumbi dos Palmares – 20 de novembro – teve a votação adiada por falta de quórum na sessão extraordinária desta quinta-feira. 

O projeto de lei que institui o feriado da Consciência Negra e da Difusão da Religiosidade na data alusiva à morte do símbolo do movimento negro, Zumbi dos Palmares – 20 de novembro – teve a votação adiada por falta de quórum na sessão extraordinária desta quinta-feira. A contagem dos parlamentares foi solicitada após a interrupção da sessão para que articulações fossem feitas. Com o primeiro requerimento, feito por Mário Manfro (PSDB), a sessão teria continuidade. Pablo Mendes Ribeiro (PMDB) solicitou a contagem novamente, e apenas 17 vereadores registraram presença, dos 19 necessários.

A interrupção da sessão se deu após o início do processo de votação e a aprovação da emenda que retificava o texto original, proposto pelo vereador Delegado Cleiton (PDT). A proposição de Mauro Pinheiro (PT) prevê que o feriado seja no terceiro domingo do mês de novembro. A votação apertada, de 16 votos favoráveis a 15, abriu brecha para o requerimento de recontagem de votos apresentado por Cleiton.

O pedetista acredita que o adiamento da sessão possa contribuir para mudar a convicção de vereadores que não estavam presentes e aprovar a emenda com mais votos, evitando novo pedido de recontagem. "Quero que os vereadores tomem vergonha na cara e venham aqui dizer que não querem feriado por achar que os negros não merecem. Se não aguentam pressão precisam voltar para a casa", disse, criticando colegas que haviam dado declarações favoráveis, mas mudaram o voto após pressão.

Tarciso Flecha Negra (PSD) havia optado pela abstenção. As galerias se manifestaram, e o vereador retificou o voto. "Não é pela eleição do ano que vem, isso não me assusta. É por uma raiz chamada África que mudo meu voto para sim." E foi ovacionado.

Apenas o autor da emenda votou favoravelmente à retificação do texto. A vereadora Sofia Cavedon (PT) questionou, inclusive, a validade da proposta. "Uma vez que se estabelece no domingo, não pode ser feriado". Ao justificar, Pinheiro disse que pensou nos pequenos comerciários. "Sou comerciante, sei que é difícil nos feriados. Se fosse pela emoção, votaria favoravelmente, mas preciso ser racional e mais um feriado em novembro prejudicaria os pequenos."

João Carlos Nedel (PP) usou dados da Fiergs para justificar o voto. "Um feriado na Capital deixa de arrecadar R$ 23,8 milhões e representa 0,4% do PIB anual." O presidente do Sindilojas, Paulo Kruse, disse que dois feriados já são prejudiciais à economia do mês, e um terceiro poderia significar até seis dias parados. "Um dia de feriado tira 3,33% do faturamento mensal."

Para a presidente da secretaria do Movimento Negro do PDT estadual, Eni Camarim, o terceiro domingo não tem a simbologia do dia 20. "Essa data precisa ser mantida para reflexão dos cidadãos. Não sei se é racismo, mas a sociedade faz pressão contra o negro até hoje." Ela acrescenta que 70% da população brasileira descende dos povos negros. Cleiton afirma que se a data for modificada não há necessidade de aprovação do texto. O projeto volta à pauta na sessão ordinária de segunda-feira.

Fonte: Jornal do Comércio

Veja também

    Noticias

    O Sindilojas Porto Alegre é finalista do Top de Mkt ADVB/RS 2024

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades desta semana para as obras no Centro da capital

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais