Alimentos devem provocar alta do juro

Foi ao visitar a feira, em pleno domingo, que o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, consolidou seu diagnóstico: o Banco Central (BC) deve elevar o juro em 0,50 ponto percentual amanhã. – Os…

Foi ao visitar a feira, em pleno domingo, que o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, consolidou seu diagnóstico: o Banco Central (BC) deve elevar o juro em 0,50 ponto percentual amanhã. – Os preços dos alimentos subiram muito, não há outra forma de controlar senão com o juro – avalia o economista.

Assim como Agostini, a grande maioria dos analistas ligados a instituições financeiras que semanalmente entregam suas projeções ao BC aposta na elevação da taxa básica de juro de 10,75% para 11,25% ao ano. – Se houver alguma surpresa, será para mais, porque para menos é difícil. Seria mostrar uma confiança muito grande de que a inflação vá recuar rapidamente, o que não é certo – argumenta Agostini.

Além da alta de preços, acentuada no último trimestre do ano passado (veja o gráfico), o aumento de juro é esperado como uma espécie de declaração de autonomia da nova direção do BC, comandada pelo gaúcho Alexandre Tombini, depois de oito anos de reinado de Henrique Meirelles. – Ninguém tem dúvida sobre a postura de Tombini, mas a autonomia operacional será demonstrada pelo aumento do juro – afirma Agostini.

Mesmo quem torce o nariz para o juro alto, como o ex-diretor do BC Carlos Thadeu de Freitas, não vê alternativa para controlar os preços. – Até porque esta alta já foi anunciada com todas as trombetas – comenta, numa alusão a declarações de Meirelles e Tombini que foram interpretadas como prenúncios do aumento do juro.

No entanto, Freitas discorda da necessidade de altas sucessivas que levem a taxa básica acima de 12% até o final de 2011. O ex-diretor adverte que o BC deverá se mover com cautela para que, ao tentar domar a inflação, não comprometa ainda mais a competitividade dos produtos brasileiros no Exterior. – Agora, a liberdade de elevar o juro não é tão grande, porque o real está muito valorizado – afirma Freitas.

O objetivo

– Juro é o preço do dinheiro: para obter uma quantia que não tem, o consumidor paga uma taxa. Portanto, elevar o custo do dinheiro torna crédito e consumo mais caros. Por isso, o objetivo da alta do juro básico, que serve de referência para toda a economia, é desestimular o consumo.

– Com menos procura, a expectativa é a de que os preços não subam tanto, porque a competição pelo cliente se torna maior. Esse efeito não costuma ser imediato. Especialistas estimam entre seis e nove meses o prazo para que uma elevação do juro tenha efeito total sobre os preços.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    Noticias

    Matrículas para selecionados no Capacita + POA tem o prazo prorrogado

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 24/02 A 01/03

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais