Comércio do Estado cresce 7,9% em julho, divulga Fecomércio-RS

O volume de vendas do comércio gaúcho permanece em fase de expansão. O resultado do IVC-RS (Índice de Vendas do Comércio do RS), divulgado pela Fecomércio-RS (Federação do Comércio de Bens e de…

O volume de vendas do comércio gaúcho permanece em fase de expansão. O resultado do IVC-RS (Índice de Vendas do Comércio do RS), divulgado pela Fecomércio-RS (Federação do Comércio de Bens e de Serviços do RS) em uma parceria com a FEE (Fundação de Economia e Estatística) mostra que, em julho, a variação ficou positiva em 7,9% quando comparado a julho de 2007. No varejo, a alta estimada foi de 7,8%, enquanto que no atacado a variação ficou em 7,9%.

No acumulado do ano, o comércio em geral cresceu 7,5%, enquanto que varejo teve variação de 7,1%, e atacado 7,8%. No varejo, o que se verifica é que os números estão nos mesmos patamares de 2007, quando fechou o ano em 8,1%. Segundo avaliação do presidente do Sistema Fecomércio-RS, Flávio Roberto Sabbadini, a expectativa dos empresários para o setor varejista é de que o ano feche com números similares, porém um pouco mais cautelosos. “Mesmo com a alta inflacionária e com o governo aumentando os juros, acreditamos que o crescimento fique em 8%, sustentado por um consumidor que busca cada vez mais as compras com parcelas fixas”, descreve Sabbadini, que ainda cita a alta da renda e a maturidade deste consumidor como aspectos importantes. No atacado, a previsão é de um resultado menor do que em 2007, quando fechou o ano em 9,6%. Com isso, a estimativa é de que este desempenho não se repita, e o ano de 2008 tenha variação entre 7% e 8%.

Para alcançar o bom desempenho no mês desempenho, alguns segmentos tiveram resultados importantes em julho. No comércio varejista, foi o caso de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (29,6%), e a queda mais acentuada foi em tecidos, vestuário e calçados (-7,8%). Também apresentou baixo crescimento produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,4%). Conforme uma avaliação do economista da Fecomércio-RS, Eduardo Merlin, alimentação e vestuário foram os setores mais atingidos por uma contenção de gastos em razão da inflação. “No caso da alimentação, as pessoas não deixaram de consumir, mas passaram a substituir alguns itens por outros mais baratos. No vestuário, o que ocorre é um adiamento da decisão de compra, uma vez que o consumidor espera um momento mais oportuno para gastar”, diz Merlin.

No atacado, a boa performance em julho foi muito estimulada pelos resultados da agricultura. Como exemplo, Merlin cita os números relativos a insumos agrícolas, que estão apresentando o quarto mês de crescimento para matérias primas agropecuárias, que está crescendo a uma base de 20%. No outro oposto, a indústria está enfrentando algumas baixas. O IVC atacadista indica que produtos intermediários industriais estão no quinto mês consecutivo de queda e, em julho, ficou com uma variação negativa de -8,3%. “Com estes dois setores (agricultura e indústria) há uma inversão daquilo que acontecia no ano passado, quando a agricultura vendia menos e a indústria apresentava números de grande destaque. Temos nesse ano uma reacomodação desta situação, influenciada ainda pela variação cambial, que atingiu fortemente a indústria aqui do Estado”, explica o economista.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais