Governo publica MP e decreto para reduzir conta de luz

Redução na conta de luz entra em vigor nesta quinta-feira

A redução no custo da conta de luz entra em vigor nesta quinta-feira (24/01). Para os consumidores residenciais, o desconto será de 18%, acima dos 16,2%, inicialmente estimados. Para as indústrias, o corte será de até 32%, superando os 28% prometidos anteriormente.

A Medida Provisória 605 e o Decreto 7.891 publicadas hoje no Diário Oficial da União (DOU) oficializam os descontos.

A confirmação da redução foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff na quarta-feira em cadeia nacional de rádio e televisão.

Com a redução, as empresas de energia terão de planejas reduções de custo. Um estudo da consultoria Economatica mostrou que as 34 empresas do setor listadas em Bolsa perderam, nos últimos quatro meses, R$ 37,23 bilhões em valor de mercado desde o anúncio do governo de redução das tarifas de energia. Entre 6 de setembro e 10 de janeiro, período no qual o levantamento foi elaborado, o valor de mercado destas companhias recuou de R$ 206,4 bilhões para R$ 169,17 bilhões, queda de 18,03%.

A Cemig foi a empresa que mais perdeu valor de mercado, somando R$ 9,854 bilhões. Na sequência estão Eletrobras (R$ 9,315 bilhões), Cesp (R$ 4,159 bilhões), CPFL Energia (R$ 2,367 bilhões), AES Tietê (R$ 2,199 bilhões), Copel (R$ 1,740 bilhão), Transmissão Paulista (R$ 1,319 bilhão) e Eletropaulo (R$ 1,230 bilhão).

A Eletrobras fará uma reunião na sexta-feira (25/01) para avaliar as propostas de redução de custos. Ainda não há previsão de medidas mais extremas, como a venda de ativos, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais