IIF melhora previsões para PIB do Brasil

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado por mais de 500 instituições financeiras e com sede em Washington, melhorou as projeções para a economia brasileira

Genebra – O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado por mais de 500 instituições financeiras e com sede em Washington, melhorou as projeções para a economia brasileira.

Se antes via o Produto Interno Bruto (PIB) do país podendo cair 4,5% este ano, agora a instituição projeta queda de 3,3%. Para 2017, a estimativa é de avanço de 1%, também melhor do que a alta de 0,5% que se esperava antes do afastamento de Dilma Rousseff. O IIF alerta, porém, que riscos, principalmente políticos, seguem rondando a economia brasileira.

"As perspectivas para o Brasil estão melhorado para 2017 na esperança de que o novo governo seja capaz de empreender um ajuste fiscal e crie espaço para o relaxamento da política monetária", afirma o economista-chefe do IIF, Charles Collyns, em um relatório. A mudança política no Brasil, com o presidente em exercício Michel Temer assumindo o comando do país, ressalta o economista, melhorou a confiança dos agentes.

"Enquanto Temer assumiu o governo ainda em caráter temporário, parece já ter reduzido a paralisia política (no país)", afirma o economista para América Latina do IIF, Ramón Aracena. A parte do relatório do IIF destinada ao Brasil recebeu o título "um vislumbre de esperança".

O IIF avalia que Temer conseguiu reunir uma equipe econômica "respeitável" e anunciou algumas medidas que soam "como música nos ouvidos para os investidores".

Entre as medidas, o relatório do IIF cita a intenção de reformar a previdência e criar um teto para o aumento do gasto público a partir de 2017. Além disso, mencionam a intenção de redefinir o papel do crédito subsidiado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e aumentar a participação do setor privado na infraestrutura.

"A ampla capacidade ociosa na indústria abre espaço para uma recuperação rápida se o governo conseguir restaurar os níveis de confiança", afirma Aracena. "Uma melhora do conjunto de políticas econômicas ajudaria a estabilizar a economia, melhoraria a confiança e permitiria um crescimento ao redor de 1% (em 2017)."

O fortalecimento do real e a queda nas expectativas para a inflação devem levar o Banco Central a cortar os juros na segunda metade do ano, ressalta Aracena. Do nível atual de 14,25%, o economista projeta que a Selic termine 2016 em 13,25% e recue para 11% no segundo trimestre de 2017.

Riscos

Apesar da melhora da percepção do país, o IIF alerta para o fato de que incertezas ainda permanecem no cenário político em Brasília e riscos rondam o país. A turbulência política pode dificultar a aprovação de reformas econômicas pela frente, destaca Aracena. Por isso, é preciso que Temer consiga entregar medidas necessárias o quanto antes.

Outra fonte de risco apontada pelo IIF vem dos avanços "imprevisíveis" das investigações da Operação Lava Jato, que podem provocar ainda mais instabilidade política, dificultando a governabilidade. Há ainda incertezas pelo lado externo, que incluem possíveis elevações de juros nos Estados Unidos e transição na economia da China.

A melhora esperada para o Brasil em 2017 pode fazer a América Latina voltar a crescer, depois de dois anos com PIB em contração, de acordo com o IIF. A projeção é de que a região avance 1,8% no ano que vem, depois de encolher 1% em 2016 e 1,1% no ano passado.

 

Fonte: Revista Exame

Veja também

    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais
    Noticias

    Transforme talento em marca de sucesso

    Veja mais
    Noticias

    Campanha de incentivo ao comércio local para reerguer Porto Alegre tem apoio do S...

    Veja mais