Mudança de postura: consumidores planejam compras e buscam crédito consciente

Acesso a crédito, prazos alongados e uma infinidade de itens de consumo. Pensar que o crescimento das possibilidades na aquisição de bens e de serviços fez com que o brasileiro perdesse o controle na hora…

Acesso a crédito, prazos alongados e uma infinidade de itens de consumo. Pensar que o crescimento das possibilidades na aquisição de bens e de serviços fez com que o brasileiro perdesse o controle na hora das compras é um erro. Anos de estabilidade monetária, relação transparente entre lojistas e clientes e ainda constantes aparições do tema juros na mídia começam a surtir um efeito interessante na população: a busca pelo crédito consciente. Uma pesquisa realizada pela Itaucard intitulada “Consumo consciente no mercado de cartões de crédito” mostra que, enquanto o consumo no varejo cresceu 20,5% entre junho de 2006 e junho de 2008, no mesmo período, a taxa de inadimplência de 15 a 90 dias sobre o saldo total de crédito nos cartões caiu três pontos percentuais, passando de 7,6% para 4,6%.

O economista da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do RS (Fecomércio-RS), Eduardo Merlin, conta que este indicador reflete claramente que o brasileiro tem a preocupação de manter seu nome limpo – para poder obter novo crédito –, bem como a estabilidade de 14 anos conquistada pelo real possibilitou o planejamento das compras. “Antigamente era inviável fazer compras parceladas, pois o produto era pago nas duas primeiras parcelas e os outros meses eram fictícios, pois a inflação era enorme. Na situação atual, a população começa a ter um entendimento cada vez maior sobre a importância do consumo consciente, pois querem adquirir outros itens também usando de crédito”, explica Merlin.

Outro ponto importante destacado pelo economista é a postura do varejo, que percebeu que a saúde financeira dos clientes é fundamental para o futuro do seu negócio. Merlin acredita que as lojas sabem que não adianta vender tudo em um único dia, pois é imprescindível pensar nos meses que seguem. “O consumidor realiza suas aquisições pensando em um orçamento dos três próximos meses, já o lojista pensa em seis meses. Essa relação, cada vez mais clara entre empresas e consumidores, tem trazido efeitos benéficos para todos, pois tanto o empresário quanto os clientes querem manter um canal aberto para novas compras”, admite Merlin.

E essa nova conjuntura, em que a oferta de crédito aumenta, mas o planejamento das compras acompanha tal demanda, fez ainda com que novos consumidores passassem a querer itens que até pouco tempo atrás não fariam parte da sua cesta. O comentário do economista da Fecomércio-RS é de que este consumidor, por sua renda, pertence a uma classe baixa, entretanto, pelo acesso a bens que possui pode ser visto como classe média. “E essa busca, principalmente por bens duráveis, cria um círculo virtuoso para toda a sociedade. A massificação do consumo faz com que os preços baixem e, por sua vez, o interesse dessa compra aumenta a possibilidade de crédito”, diz Merlin.

Veja também

    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais
    Noticias

    Transforme talento em marca de sucesso

    Veja mais
    Noticias

    Campanha de incentivo ao comércio local para reerguer Porto Alegre tem apoio do S...

    Veja mais