Sindilojas Porto Alegre realiza pesquisa com empresários da capital sobre o uso do Pronampe

O objetivo é saber se o auxílio tem sido liberado a quem precisa

O Sindilojas Porto Alegre realizou uma pesquisa com lojistas que tem negócios em áreas atingidas pelas enchentes sobre a necessidade da utilização do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte).

O Pronampe, através de banco selecionados, liberou novos recursos e oferece condições especiais para empresas localizadas em municípios que decretaram estado de calamidade.

Sendo assim, o Sindilojas POA, através do Núcleo de Pesquisa, questionou os respondentes se já haviam feito o uso do Pronampe em anos anteriores. Apenas 12% disseram que sim. E deste total, 25% citaram que tentaram renegociá-lo e obtiveram sucesso. Para 8,3% o resultado foi outro, pois tentaram a renegociação, porém receberam uma negativa. Já 66,7% não fizeram esta tentativa.

Agora, objetivamente tratando sobre o Pronampe da enchente, perguntados se o auxílio foi solicitado entre os meses de maio e junho, um pouco mais da metade, 54%, responderam que não e nem pretendem. Outros 20% já fizeram o pedido. Os demais 26% não pediram ainda, mas disseram que solicitarão o auxílio.

Qual a situação de momento?

Aos que solicitaram o Pronampe entre os meses de maio e junho de 2024, 75% conseguiram contratar o valor pedido. O empréstimo tem a finalidade para capital de giro para 100% dos lojistas. Para 46,7% servirá para pagar fornecedores, e 26,7% disseram que necessitam do dinheiro para o pagamento dos funcionários. Pagar contas de luz e água, impostos, cartão de crédito e aluguel do ponto ficaram com 6,7% cada. Lembrando que este item é de repostas múltiplas.

Além da taxa de juros anunciado pelo Governo Federal, muito se fala em algumas cobranças extras. Na pesquisa realizada, cerca de 7% relataram ter pago um valor extra, uma espécie de seguro, 66,7% não receberam qualquer tipo de cobrança extra, e ainda, 26,6% disseram não saber.

Bancos procurados para a contratação do Pronampe:

Banrisul: 53,3%

Caixa Econômica Federal: 26,6%

Sicredi: 6,7%

Banco do Brasil: 6,7%

Bradesco: 6,7%

Já ao não conseguir o empréstimo via banco, a burocracia junto às instituições financeiras foi a causa mais citada, com 80%. Com 20% das respostas, o outro motivo foi o não atendimento aos requisitos do programa de auxílio. E com isso, a demissão de funcionários surge como uma opção. Foi isso que 80% dos lojistas disseram.

Para o presidente do Sindilojas POA, Arcione Piva, o auxílio chegou com atraso, porém ele é bem-vindo. “O lojista merecia ter sido atendido com mais celeridade visto o tamanho do prejuízo causado no comércio. O enfrentamento das dificuldades seria menos prejudicial. Agora é correr atrás destes valores para a retomada do nosso comércio, comentou.

A Entidade criou uma Cartilha Estado de Calamidade onde traz diversas informações sobre recursos emergências e flexibilizações de impostos e está à disposição no site do Sindilojas Porto Alegre.

Abaixo, segue o nosso Infográfico com os dados. Se preferir, clique aqui e veja todos os infográficos disponíveis.

 

Veja também

    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais
    Noticias

    Transforme talento em marca de sucesso

    Veja mais
    Noticias

    Campanha de incentivo ao comércio local para reerguer Porto Alegre tem apoio do S...

    Veja mais