Só oito em cada cem são “empresas do futuro” em comunicação e marketing

SÃO PAULO – Apenas oito em cada cem grandes corporações podem ser consideradas “empresas do futuro sob a ótica da comunicação e do marketing” em 2011. A constatação é do estudo 3ª agenda do futuro,…

SÃO PAULO – Apenas oito em cada cem grandes corporações podem ser consideradas “empresas do futuro sob a ótica da comunicação e do marketing” em 2011. A constatação é do estudo 3ª agenda do futuro, os desafios da comunicação e do marketing na nova economia, que ouviu 687 grandes empresas do Brasil para avaliar como elas estão alinhando suas estratégias às mudanças no ambiente da comunicação e do marketing. O levantamento foi desenvolvido pelo Centro de Estudos da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e o grupo TV1, que atua no segmento de comunicação. Entre as metas, estão identificar as dimensões dessa transformação no marketing das empresas, avaliar a relevância destas dimensões e mapear o quanto essas dimensões estão sendo incorporadas às rotinas das organizações. Segundo o índice da agenda de futuro, que leva em conta as práticas das empresas, a crença dos executivos e a coerência entre crença e prática, só 8% das empresas tem nota média de 5 (em uma escala de 1 a 5) em todas as dimensões avaliadas, e podem ser chamadas de “empresas de futuro”. Em 2008, na última pesquisa realizada, esse índice era de 10%. Em compensação, as que estavam no patamar 1 (o pior nível da avaliação) somavam 46,7% das respondentes em 2008 e agora são 32%.

Crenças x práticas

A pesquisa mostra distância entre o quanto as empresas acreditam na necessidade de algumas ações e a sua verdadeira prática nesses quesitos. Entre as crenças mais importantes citadas pelas empresas, está a integração, para a qual 97% dos executivos entrevistados deram nota igual ao superior a 4, em uma escala de 1 a 5. Na prática, esse percentual é bem menor: apenas 50,8% das empresas classificaram a integração em suas companhias com nota 4 ou superior. Na avaliação sobre o tópico interatividade e colaboração, a pesquisa mostra que as empresas estão “no meio do caminho”. A crença em interatividade é alta: 92% das empresas atribuem nota igual ou superior a 4, mas na prática a situação é diferente. Mais da metade (50,5%) teve nota abaixo de 4, enquanto 49,5% ficaram igual ou acima dessa nota. A maioria dos executivos que participaram da pesquisa acredita na centralidade da tecnologia para a comunicação e o marketing (55,9%), mas só 47,3% das empresas tiveram nota acima de 4 na prática desse conceito. “Como a evolução dos meios e da tecnologia tem sido muito acelerada, permanece o desafio de se manter atualizado e traduzir, na prática, o conhecimento em resultados”. A dimensão “marca e reputação” teve a nota mais alta como prática das empresas (3,93 na escala de 1 a 5). Já entre as crenças, a marca/reputação é a segunda mais lembrada (94,7% das empresas com nota igual ou maior que 4). O tópico “mensuração” também mostra distância entre crença e prática. Enquanto 55,7% dos profissionais entrevistados consideram importante mensurar resultados, apenas 45% incorporaram suficientemente esta dimensão em suas estratégias de forma prática.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais